oie_transparent (10)

Fique à vontade, sinta-se em casa com a 

Rádio Web Feito Em Casa

A rádio com a programação mais diversificada da web!

oie_transparent (10)
As duas pulgas ou pequenas soluções fazem grandes transformações

Duas pulgas estavam reclamando da vida quando uma disse para a outra:

- Sabe qual é o nosso grande problema? Nós não sabemos voar. Só sabemos saltar. Aí, quando o cachorro percebe nossa presença, nossa chance de sobrevivência é zero. Ele mete a pata para se coçar e já era. É por isso que existem mais moscas do que pulgas neste mundo - moscas voam.

 

As duas resolveram então fazer um curso de mosca. Aprenderam a voar.

 

Mas não ficaram satisfeitas. Uma disse para a outra:

- Sabe qual é o nosso grande problema? Nós ficamos grudadas no corpo do cachorro. Daí, nosso tempo de reação é mais lento que a coçada dele. Temos que fazer como as abelhas, que sugam o néctar e levantam vôo rapidamente.

 

E as duas fizeram um curso de abelha.

 

Mas não ficaram satisfeitas. E uma disse para a outra:

- Sabe qual é o nosso grande problema? Nosso estômago é muito pequeno. Escapar do cachorro a gente até escapa, mas não estamos nos alimentando adequadamente. Temos que ser como os pernilongos, que tem aquele barrigão enorme.

 

Lá foram elas fazer um curso de pernilongo.

 

Mas não ficaram satisfeitas. É que, com aquele barrigão, eram facilmente percebidas pelo cachorro e eram espantadas antes mesmo de conseguir pousar. Ficaram totalmente frustradas porque nada na vida delas dava certo.

 

Até que encontraram uma saltitante pulguinha. Como viram que a pulguinha estava forte e sacudida, as duas pulgas perguntaram:

- Menina, fizemos de tudo para ficar igual a você e nada deu certo. O que é que você mudou que nós ainda não mudamos?

 

A pulguinha respondeu:

- Nada, ué.

- Como assim, nada? - perguntaram as pulgonas - Como é que você escapa da coçada do cachorro?

 

E a pulguinha respondeu:

- Ah, é simples. Eu sento na nuca dele. É o único lugar que ele não alcança com a pata.

*********************************************

 

As pessoas costumam acreditar que a solução para seus problemas está em uma mudança radical, como se tudo o que foi feito até agora estivesse errado. Acontece que muitas vezes uma pequena mudança pode fazer mais efeito que uma grande mudança, diz o consultor Max Gehringer. É isso o que ensina a fábula das duas pulgas.


Quantas vezes ficamos procurando saídas milagrosas para questões tão fáceis de serem resolvidas? E maior parte da culpa por isso é a falta de autoconhecimento aliada à nossa incapacidade de análise fria das situações. Ao invés de nos voltamos para nós e para o que estamos vivendo, olhamos para fora, buscamos solução para além de nós. E nem sempre dá certo. E se dá certo agora, amanhã não dá. E temos recaídas e ficamos presos na mesma situação que nos faz tão mal.

 

Autoconhecimento e clareza de raciocínio conferem aos problemas os tamanhos exatos que eles têm e favorecem encontrar soluções certeiras. Muitas vezes precisamos apenas nos reposicionar sobre a questão, outras vezes precisamos entender que a saída não está em nossas mãos e vamos ter que aprender a conviver com aquilo ou renunciar a algo para se livrar o problema.

 

Se você está desempregado, você culpa o mercado. Se você está doente, você culpa vida. Se você está desiludido, você culpa o outro. Em momento algum se pensa em se atualizar ou se reciclar profissionalmente, em rever a saúde emocional ou hábitos que podem estar debilitando sua saúde física, também nunca lembramos de não esperarmos demais do outro para não nos decepcionarmos, afinal, ninguém tem o dever de carregar nossas expectativas.

 

Ainda que o problema esteja ou seja o outro, a nós cabe apenas determinar como lidaremos com isso e nunca exigir que ele mude, estamos cansados de saber disso.

 

E isso foi uma libertação em minha vida, em relação à minha família, a relacionamentos amorosos, ao meu trabalho, a tudo. A carga que tirei de meus ombros, a partir dessa concepção, foi absurda. Reconhecer o meu lugar e o meu papel no mundo, sem máscara social, religiosa ou afetiva me tornou mais leve, mais madura e me deu bem mais desenvoltura para lidar com a vida.

 

E você? É tipo que busca respostas externas, milagrosas? Ou já aprendeu que voltar os olhos para si e mudar pequenos hábitos fazem grandes transformações?

 

Experimente!

 

********************************************************

Gostou do texto? Deixe seu comentário, é importante para a autora.

 

Adriana Fernandes é autora do texto e apresentadora do Programa NOTICIANDO, que vai ao ar toda sexta-feira, com notícias comentadas, sem reservas, e dicas de Programação Neurolinguística.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Math Captcha
4 + 3 =